Posts de Mari
24
12
2011

Os Mais Mais de 2011 – Parte 2!

Continuando a lista dos mais mais de 2011, vamos para a parte de maquiagens e outras coisitas más.

1. Perfume

Nesse ano, conheci o Ed Hardy for Women quando veio a amostra na Glossybox e foi amor à primeira vista (ou melhor, cheiro). É um perfume que combinou comigo, acho que por não ser doce demais… não sei, eu acho o perfume bastante frutal, mas sinceramente acho que não é essa a definição que dá o fabricante. Enfim, gostei muito.

2. Esmalte

Para alguém que tem mais de 150 vidrinhos em sua coleção, achei que seria meio complicado escolher um só, mas contrariando as minhas expectativas, escolhi logo de cara o DS Extravagance da OPI. Foi o esmalte que usei na minha festa de formatura em fevereiro, um esmalte que eu devo ter repetido umas cinco vezes durante o ano… e com tanto esmalte na coleção, repetir tantas vezes a mesma cor é quase um milagre. Enfim, eu amo esse esmalte de paixão.

3. Primer

Primer não é algo que eu uso todo dia, mas quando eu quero usar um, o que eu acho legal pela relação custo X benefício é o primer facial da Koloss, que ajuda a segurar a oleosidade do rosto e também aumenta bastante a fixação da maquiagem, principalmente do blush, que é meu maior problema.

Já primer de sombras… eu testei alguns esse ano, e o que eu uso direto é um que não foi feito exatamente para isso, que é o Painterly, paint pot da Mac. É basicamente uma sombra em creme cor de pele.

4. Base

Usei demais a Studio Fix da Mac, que é uma base em pó. A cobertura dela é média, mas acho muito boa para usar no dia-a-dia, porque tem um resultado mais natural e é mais prática.

5. Corretivo

O que eu mais usei foi o Cover Up da marca Duda Molinos. A fixação é muito boa e a cobertura também, além de eu achar o aplicador mais fácil de usar do que daqueles corretivos em potinho, por exemplo.

6. Sombra ou Paleta

Não tem pra ninguém, já que esse é o produto mais mais de 2011, independente da categoria: é a Naked da Urban Decay. Uso a minha demais, demais, e acho que valeu cada centavo que eu paguei nela. A pigmentação e fixação dessas sombras na pálpebra é ótima e a seleção das cores na paleta te dá muitas opções, mesmo que só sejam cores neutras.

7. Delineador e lápis de olho

Não uso muito, mas tenho e gosto bastante do Grafitti Eyeliner da Eyeko.

8. Máscara para cílios (rímel)

A máscara para cílios que eu mais usei esse ano foi a Big Eyes da Eyeko, e é por isso que ela aparece aqui, mas sinceramente ainda estou à procura da máscara ideal. A Big Eyes é legal, mas às vezes ela junta demais um cílio no outro e aí eu já não sou tão fã.

9. Blush (posso chamar de rouge? Hahaha – levanta a mão se você cantou Assederê)

Eu amo blushes, de paixão, mas não tenho tantos como eu gostaria. O meu preferido e mais usado de 2011 foi o Blushbaby, da Mac, que é um tom que fica super natural nas bochechas, e não tem brilho nenhum.

10. Bronzer e Iluminador

Tenho uma paletinha da Too Faced chamada Leopard Love que tem um bronzer, uma cor mais rosada que é um blush e um iluminador que eu gosto muito.

Também, no último mês do ano, recebi meu lindo High Beam da Benefit e estou amando. Quero ter o Moon Beam também, mas isso vai demorar um pouquinho.

11. Pó

Para peles oleosas e brilhosas como a minha, pó acaba sendo essencial. Amo muito o meu Dream Matte Powder, da Maybelline, que é ótimo, matifica bem a pele e ainda é fácil de encontrar aqui no Brasil.

12. Batom

O batom do ano para mim foi o Chatterbox, da Mac. Demorei para me acertar com ele (gente que nunca usa batom é fogo mesmo!) mas fiz as pazes com o rosa chiclete lindo que é esse batom.

13. Gloss

Comprei esse gloss da Revlon na minha viagem internacional do ano (leia-se quando fui para o Paraguai) e gostei bastante mesmo. Ele não fica grudento nos lábios, tem bastante pigmentação e no geral deixa minha boca muito bonita. O nome da cor é Pink Pursuit.

14. Lip Balm

Gostei de usar o Tinted Lip Spa da Nix na cor Copacabana. Não é um lip balm muito conhecido, mas eu gostei bastante dele e carrego ele na bolsa direto.

15. Pincel

A maioria dos meus pincéis são da Sigma, e entre todos os que eu tenho em casa, se tem um que eu acho sensacional é o bendito F80, que é o Flat Top Kabuki. Ele é ótimo para passar base, deixa realmente bem uniforme e facilita muito a aplicação, que fica em alta definição mesmo, que é o que a Sigma diz que faz. Não troco e acho indispensável na minha coleção. O que eu quero para o próximo ano é completar a coleção Sigmax junto com o Tappered Top Kabuki e os Precision Brushes.

E com isso eu termino a lista dos mais mais de 2011. Muito obrigado por terem lido até aqui, espero que esse post tenha sido útil de alguma forma, um beijo e um ótimo 2012 pra todo mundo!

24
12
2011

Os Mais Mais de 2011, Parte 1!

Todo mundo faz esse tipo de post no fim do ano, só muda o nome. Mas eu acho super interessante, então resolvi tentar fazer também uma lista dos mais mais de 2011.

Cultura

1. O Livro

Eu sei que ainda não saiu no Brasil, mas eu não aguentei de curiosidade e li em inglês mesmo: The Son of Neptune, do Rick Riordan, o segundo livro da série “Os Heróis do Olimpo”. Adoro o jeito de escrever do tio Rick e acho a maneira como ele usa a mitologia nos livros sensacional, então não é surpresa que esse tenha sido para mim o livro de 2011.

2. O Filme

AMANHECER! Não? Não! Eu posso amar o Robert, mas acho que um filme baseado num livro que eu nunca fui muito fã jamais poderia figurar como meu mais mais de 2011. Então, eu volto um pouco para meu tipo de filme preferido, que é… desenho animado.

O escolhido é Rio, porque conseguiu falar sobre o Brasil deixando a maior parte dos preconceitos de lado e mostrou um pouco d0 nosso país lá pra fora. Sei que não foi perfeito, mas às vezes fico pensando que nós também temos muito preconceito em relação à vida em outros países. Ora, quem nunca pensou em África como sendo um deserto cheio de leões e elefantes? Provavelmente, existem muitas cidades lá também, não sendo tudo um grande safari.

3. A Música

Se existe um tipo de música que eu achava bem mais difícil se popularizar na mídia a ponto de tocar na rádio é o tipo de música que a Adele canta. Aliás, a própria cantora conseguiu mostrar que nem só de meninas magras, loiras e com implante de silicone nos seios (e sem talento vocal nenhum, diga-se de passagem) se faz o gosto musical mundial. Por isso, considero Adele a mais mais de 2011.

Cuidados Com a Pele

4. Hidratante Facial e Corporal

Amo o hidratante facial da Clinique, aquele amarelinho em gel que todo mundo conhece, mas esse ano descobri um outro hidratante bem mais barato que eu também amo usar, que é o Hidratante Anti-Acne da Clean&Clear.

Já o hidratante corporal que eu mais usei nesse ano foi a Body Butter da Victoria’s Secret, na versão Amber Romance. O cheiro é ótimo, a consistência é bem grossa mas não chega a ser dura e difícil de passar, absorve rápido e hidrata mesmo.

5. Protetor Solar

Não tenho nem dúvida: meu protetor solar preferido do ano é o Róc Minesol Oil Control. Protege do sol e ainda ajuda a controlar a oleosidade da minha pele. Amei mesmo e finalmente encontrei um protetor que eu não tenho preguiça de usar todo dia.

6. Tônico

Usei bastante o meu da Clinique, mas devo confessar que gosto muito dos tônicos da Clean&Clear, principalmente esse anti-cravos que, apesar de não ser milagroso, já dá uma ajudinha.

7. DemaquilanteUsei bastante o oil free da Koloss, mas na verdade costumo variar bastante, principalmente porque não tenho um preferido para demaquilante para o rosto. Já meu preferido para a área dos olhos é sem sombra de dúvidas o da Avon, que é um desses produtinhos baratos que fazem seu serviço divinamente.8. Limpeza Facial e Esfoliante

O sabonete em gel da Clinique está presente na minha rotina diária de cuidados com a pele todo dia. Todos os outros produtos eu revezo, esse eu simplesmente não consigo.Já o esfoliante, não sou muito de usar, não. Uso o Cleansing & Polishing Tool da Sigma quando quero esfoliar um pouco a pele, mas não chego a usar um produto específico para isso.

Cabelos

9. Shampoo e Condicionador

Existem duas duplinhas de shampoo e condicionador que usei demais durante esse ano. Como meu cabelo é fino e enrolado, ele também é extremamente seco, então sempre procuro produtos hidratantes para os meus cabelos. Usei muito o Self Absorbed, uma linha da Bed Head que tem cheiro de Fanta laranja e hidrata muito os cabelos, mas sem deixar eles muito pesados, o que é um problema para quem tem cabelos finos.

Também usei e me apaixonei pela linha de tratamento da L’Occitane. O shampoo e o condicionador são maravilhosos e agora quero muito experimentar a máscara da mesma linha.

10. Finalizadores ou leave-in

Para controlar os cachos, esse é um produto indispensável. Usei muito e amei demais principalmente por causa do cheiro o Small Talk, da Bed Head.Para a parte um, paramos por aqui. Na parte dois, vou colocar quais foram meus produtos preferidos de 2011 na parte de maquiagem.  Até logo!

Bjos

08
12
2011

Acabei de Ler: Aura Negra e Tocada Pelas Sombras – Richelle Mead

E com a leitura desses dois, chego exatamente ao ponto na série que eu estava há alguns anos atrás, quando li os três primeiros livros pela primeira vez.

Reler foi realmente uma boa idéia, afinal. Acho que na primeira vez que eu li o terceiro, como já sabia mais ou menos o que aconteceria no final, acabei lendo muito por cima, sem dar atenção à personagem nenhum. É estranho como às vezes eu fico tão preocupada com o destino de um dos personagens que me esqueço de todos os outros… Aliás, não duvido nada que eu tenha simplesmente pulado alguns dos últimos capítulos.

Bem, dessa vez eu fui uma menina comportada e li o livro inteirinho. Gostei porque houve uma evolução dos personagens, um amadurecimento na história. Também teve uma boa dose de emoção, e aí eu nem me prendo na parte romântica, mas também de amizade, de perda e de luto.

Claro que passei raiva com a parte mais política da história, e por isso admiro a autora que conseguiu criar um mundo de fantasia que se sustenta com personagens que não são planos, mas sim mostram várias facetas e tem vários motivos obscuros.

Ainda não sei exatamente para onde vai caminhar a história ou qual a solução que a autora vai encontrar para o problema insolucionável que ela criou no fim do terceiro livro, mas algo me diz que existem personagens que já estão na história posando de bonzinhos e que vão se revelar. Bem, veremos na segunda metade da série.

Resumindo, estou muito pronta para ler o Promessa de Sangue, que já está aqui  do lado, prontinho para eu começar. 

29
11
2011

Bolinhas Aleatórias: A Misteriosa Vida Real das Dançarinas de Palco

Outro dia, tive a oportunidade de apreciar o programa do Raul Gil num sábado à tarde. E junto com toda a dinâmica de um programa de platéia, veio também aquelas misteriosas meninas, todas bem maquiadas e com roupas esvoaçantes, brilhantes e curtas, que ficam dançando alegremente lá trás, enquanto outros menos afortunados (mas, temos de admitir, um pouco sedentos pelo tipo de fama e reconhecimento que só um programa como Raul Gil dá) ficam ali, tentando convencer os jurados/ a platéia/ você, nobre espectador, que tem voz linda/ dançam muito bem/ não fazem nada mas merecem ser famosos.

Mas, enfim, o que me intriga toda vez que vejo aquele grupo de meninas ali atrás, com aquele sorriso inabalável, é a misteriosa vida real que essas dançarinas tem. Como será que é voltar para casa após um dia de trabalho intenso, todos os músculos do corpo doendo (com especial ênfase nos músculos das bochechas, é claro, porque todo aquele sorriso tem um preço, tem que ter), colocar calça jeans e camiseta e voltar a ser… normal?

Foto retirada do site celsojunior.net

Aliás, qual será a reação da família dessas meninas que dançam na tv? Será que o pai dessas fica todo orgulhoso, chama todos os vizinhos e parentes em casa para ligar a tv de 29 polegadas e ver a menininha dele dançar?  “Opa, acho que a calcinha dela acabou de aparecer em rede nacional” diria aquele amigo mais debochado. “Claro que não!” o pai da dançarina responderia indignado. “Você não sabe que eles colocam aqueles shorts de lycra para não aparecer mais do que deve?!”.

Minha imaginação vai mais longe: será que alguma daquelas meninas está ali realizando um sonho? Ou será que consideram aquele apenas um pequeno passo numa longa carreira? Logo, logo, um grande produtor, assistindo o Domingão do Faustão, irá olhar para uma delas e sentirá que encontrou a próxima estrela de seu grande filme? A próxima cena na vida dessa menina seria o recebiment0 de um Oscar… e ela sempre poderia dizer que começou com uma dançarina, repetindo 20 a 50 vezes uma ou duas sequências de passos que se adaptam conforme o ritmo da música que está tocand0 sem, é claro, perder o sorriso encantador (ai, se uma câmera pega uma delas sem o sorriso no rosto… é despedida por justa causa na hora).

Foto retirada do site 180graus.com

Acabo todas essas reflexões aclamando a coragem dessas meninas que, por alguns minutos de exibição em rede nacional, aceitam ser basicamente um objeto de decoração nesses palcos da vida (ou dos fins de semana, como preferir). Ou talvez não seja essa a real motivação delas, mas quem poderá afirmar, afinal, o que se passa na cabeça e no coração das dançarinas de palco?

22
11
2011

Acabei de Assistir: Amanhecer Pt. 1 – A Saga Crepúsculo

E quando eu digo que acabei de assistir é literalmente: acabei de voltar do cinema agora e já vim para o computador escrever algumas das minhas primeiras impressões. Nesse post estarão minhas primeiras impressões mesmo, assim, amanhã ou depois pode ser que algumas dessas idéias já tenham mudado. Ou não.

Primeiro, quero dizer que no geral, gostei do filme. Não amei, mas isso ia ser muito difícil, já que não sou muito fã do livro. E acho que o filme, levando em conta aquelas mudanças necessárias da adaptação, até conseguiu seguir bem o que está no livro. Isso é uma das vantagens dos filmes da saga: eles se mantem fiéis ao livro, suficientemente para você não sair do cinema bufando como eu fiz algumas vezes com Harry Potter.

Gostei mais da atuação da Kristen nesse filme, achei que a própria história deu a ela chance de crescer um pouco e mostrar mais emoções. A única coisa que digo é que ela precisa comer mais. Meu Deus, ô vareta que ela é né?

Depois de toda a bagunça que a produção do filme fez em terras brasileiras, achei que mostrou muito pouco do Rio, mas muito pouco mesmo. Basicamente é uma cena só e já acaba. Claro, no livro é assim, mas foi tanto fogo de artifício quando eles vieram para cá que eu esperava um pouquinho mais. Depois é só a Ilha Esme, e talvez as pessoas de outros países achem lindas as paisagens (eu também acho) mas quem já viajou um pouquinho pelo Brasil já viu ao vivo, e ao vivo é muito melhor.

Agora, vamos falar a verdade: o português do Robert é uma desgraça, né? Eu avisei que ele deveria ter tido aulas particulares comigo, mas alguém acreditou em mim? Ninguém. Esqueçamos o fato de ele falar o português de Portugal (eu acho que o Edward falaria o português com um sotaque um pouco mais brasileiro, mas isso é só minha opinião) e vamos nos concentrar no fato de que ele engole alguns pronomes, embola algumas palavras aqui e acolá… é, não rolou.

Tá, ok, talvez eu deva ser um pouco mais boazinha com ele, afinal de contas ele falou português e a gente entendeu, e isso foi um esforço não só da parte do ator como de toda uma produção, mas é só que Edward Cullen é Edward Cullen e nós sempre esperaremos mais dele.

Da atuação daquele que eu acho um dos homens mais bonitos do mundo, eu posso falar que foi boa. Ótima, exemplar, sem falhas? Não, não foi. Mas acho que ele passa aquelas emoções totalmente sem graça de Edward Cullen, o que é essencial. Ele teve a chance de gritar um pouco nesse filme e mostrar algo além de desgosto consigo mesmo, e isso foi interessante. Mas não foi uma atuação fenomenal. Enfim, ele ainda é lindo. Gente, como ele é lindo.

Um dos personagens que eu mais amo no último livro da série é o Jacob. Não tem para Edward, Bella nem para Alice: acho as emoções do Jake as mais próximas de uma pessoa como eu, então acho o personagem um dos melhores. E no filme achei o Taylor muito bom, mesmo. Claro, temos o Seth, que gente, posso levar pra casa? Eu juro que cuido bem dele, que coisinha mais fofa!!! Mas o Jacob cresce muito nesse filme, e eu só não viro Team Jacob porque tenho dó de ele ficar com a Bella, alguém que é totalmente obcecada por outra pessoa.

No geral, as cenas mais fortes foram bem… nojentas, e acho isso bom por incrível que pareça. Esse livro sai um pouco do que os três primeiros traziam, parece que destoa um pouco, é mais forte, mais decisivo, e o filme acaba por seguir o mesmo caminho, exceto que ao invés de palavras mais fortes, ele acaba trazendo as imagens. Esse filme realmente ficou mais adulto, seja por todas as cenas mais calientes da lua de mel, seja pelas brigas mais violentas, seja pelo parto mais sanguinário. Cenas feias, em alguns aspectos grotescas, mas elas deveriam ser assim. Não dava pra disfarçar.

Por fim, devo dizer que nesse filme, prefiro os lobos aos vampiros, porque os lobinhos são muito mais interessantes e menos dados ao drama que nossos amados sanguessugas.

É isso, são esses meus pensamentos mais fortes em relação ao quarto e penúltimo filme da saga Crepúsculo. Eu fiquei com vontade de assistir o próximo sim, mas não é uma coisa doida. Ah, e uma dica para quem vai assistir ainda: fiquem até depois dos créditos, tem uma cena extra. Isso não é mito.

 

19
11
2011

Acabei de Ler: O Beijo das Sombras – Richelle Mead

Mais um post que tem como título “Acabei de Ler” mas na verdade deveria ser “Acabei de Reler”. Li os três primeiros livros da série Academia de Vampiros (da qual “O Beijo das Sombras” é o primeiro) há alguns anos atrás, e lembro que queria muito que saísse o próximo, mas aí eu estava lendo em inglês e ia demorar… acabei deixando de lado e há um pouco mais de um mês, passeando pelo site Submarino (olha o perigo!), encontrei os três primeiros + o quarto livro da série em promoção: sei que no fim das contas eu comprei os quatro pelo preço de dois, e ainda aproveitei e comprei O Trono de Fogo junto.

Enfim, tudo isso pra contar que decidi reler a série novamente. Não me lembro muito bem da história, então é praticamente um livro novo pra mim. Lógico, conforme eu vou lendo vou me lembro de alguns detalhes, mas é pouca coisa mesmo.

Enfim, Academia de Vampiros é contada pelo ponto de vista da Rose, que é uma dampira. Sua melhor amiga é a Lissa, que é uma Moroi. Existe também uma terceira raça de vampiros, chamada Strigoi, que são os maus da história. Para resumir muito mesmo (porque é cheio de detalhezinhos), os Moroi se alimentam com comida e também de sangue humano; podem fazer magia, se especializando em um dos elementos da natureza; e são pacíficos, ou seja, não usam a magia de forma agressiva. Mas existem também os Strigoi, que podem ter sido transformados contra a própria vontade ou podem ter escolhido se transformarem, desistindo de fazer magia para terem a imortalidade. E para proteger os Moroi (os bonzinhos) dos Strigoi (os mauzinhos), estã0 os dampiros, que não podem fazer magia mas são mais fortes e ágeis, aceitando o papel de guardiões dos Moroi por um simples motivo: como não podem se reproduzir entre si, necessitam dos Moroi para continuarem existindo.

Se eu consegui não fritar seus miol0s até aqui (porque é muita informação mesmo), basta dizer que o livro conta a história da Rose e da Lissa na escola que é a Academia de Vampiros que dá nome a série. Rose está sendo treinada para ser guardiã por um guardião mais experiente chamado Dimitri, que é outro personagem bem interessant. Claro, o sonho dela é ser guardiã da melhor amiga, que é membro da realeza Moroi. E nada garante que Rose possa ser sua guardiã… Para complicar ainda mais a situação, Lissa não é exatamente como todos os outros Moroi… mas aí fica muito complicado para explicar, só lendo o livro mesmo.

O que eu gosto nos livros: é uma história bem montada, tem bastante ação, personagens que te dão raiva, outros apaixonantes… você acaba torcendo pela Rose mas em certos momentos quer bater nela. Lissa é um amor de pessoa, mas tem certas horas que não dá pra acreditar em algumas de suas escolhas. Ou seja, são personagens reais, nada é preto e branco, e navegando pelos tons de cinza a história fica muito interessante. Fora que a hierarquia e a politicagem dentro do reino dos dampiros/Moroi/Strigoi é muito envolvente e te faz ficar com a pulga atrás da orelha, sem saber quem está tentando ajudar e quem está simplesmente tentando salvar a própria pele. Definitivamente, não é um livro previsível, e eu me encontrei tentando imaginar o fim da saga várias vezes. Recomendo para quem gosta de fantasia e claro, por aqueles fanáticos por vampiros. É uma leitura envolvente, sem dúvida.

05
11
2011

Projeto 100 Dias sem Compras – O Desafio

O que é?

Basicamente, é uma meta que você coloca para si mesma com o objetivo de não comprar nada além do estritamente necessário. Não há regras exatamente, pois você pode fazer as regras que quiser. É um projeto meio parente do gringo “Project 10 Pan”, em que basicamente você escolhe 10 produtos e, enquanto não terminar de usá-los, não pode comprar outros. É para fazer você usar melhor o que já tem e não ficar comprando produtos novos.

Por que você decidiu fazê-lo?

Porque eu tenho gastado bastante com cosméticos (sejam produtos para pele, sejam produtos de maquiagem) e por isso tenho muita coisa no meu armário que não está sendo usada. Para  que eu comece a usar outros produtos e não fique comprando coisas novas, usando um pouquinho e já deixando de lado em favor de algo novo, resolvi começar com esse projeto.

Por que o de 100 dias e não o 10 pan?

Olhando para os produtos que eu tenho, apesar de eu ter acumulado bastante, não tem nenhum produto que eu tenha que desencalhar. E tenho a impressão de que eu ia demorar demais para acabar com qualquer produto, o que me desanimaria logo e faria que eu desistisse no meio do caminho. Tendo em mente essa “deadline”, sei quando vai acabar o desafio. Então, para mim, funciona melhor.

E quais as suas regras?

  • O projeto vai do dia 02/11/2011 até 10/02/2012 – isso deve dar 100 dias ou aproximadamente, e como o que vale é a intenção e não a matemática, tá valendo. XD
  • Durante esse período, não posso comprar nada de maquiagem ou cremes para a pele/cabelo, a não ser que tal produto tenha acabado e eu não tenha absolutamente nada que possa substituí-lo, ou seja, se acabar minha sombra X, não posso comprar outra da mesma cor, porque eu poderia usar a Y que eu já tenho. Levando em consideração o tanto de coisa que tem no meu armário, isso não vai acontecer.
  • A Glossybox não entra no projeto, porque eu não quero cancelar minha assinatura, nem o que já está encomendado (duh, né, como é que eu ia dizer não quando o carteiro viesse?).
  • O jogo é meu, as regras são minhas, logo se eu inventar mais alguma o problema é meu também (hahahaha, tudo isso para dizer que posso inventar outras regras conforme for sentindo necessárias).
Bom, a idéia do projeto é essa, se alguém se sentir animada a fazer comigo, vou amar o apoio e a companhia (oi, meu nome é Becky Bloom e eu sou uma shopaholic). Pode ser que apareçam alguns posts por aqui sobre as minhas frustrações, mas tudo bem… eu vou conseguir /modepensamentopositivoon.
03
11
2011

Acabei de Ler: O Trono de Fogo – Rick Riordan

Essa é a continuação das Crônicas dos Kane, ou seja, do livro A Pirâmide Vermelha. A história dos irmãos Carter e Sadie Kane, que são magos que têm sangue de faraó em sua linhagem, o que garante que sejam mais poderosos do que a maioria dos magos egípcios e que possam às vezes hospedar deuses do antigo Egito, continua com mais uma aventura em que eles devem tentar trazer de volta Rá, o Deus Sol, do seu exílio (ou melhor, de sua aposentadoria), caso contrário Apófis, que é o Caos, irá tomar conta e o mundo como conhecemos vai desaparecer.

Seria uma história ótima, mas às vezes eu tenho a impressão que Riordan apenas muda a mitologia para escrever seus livros infanto-juvenis. Não me entenda mal, eu adoro os livros dele, e como eu disse na minha resenha de “O Herói Perdido”, o ritmo dele é muito bom. O único problema é que alguns dos temas principais são recorrentes, como por exemplo o fato de que o mundo vai acabar logo e a única coisa que pode nos salvar é magos e deuses lutando juntos. Trocando na última frase a palavra magos por semideuses, você tem basicamente a história da série Os Heróis do Olimpo.

Já pensei também que isso possa ser proposital, ou seja, Rick Riordan tem planos de fazer que os personagens se encontrem em algum ponto da história e que na verdade o inimigo contra o qual eles estão lutando é o mesmo, apenas a percepção muda conforme o que você está acostumado a viver: assim, Apófis seria a forma egípcia de Gaia, que é a vilã greco-romana. Isso é bem a cara do autor, que costuma deixar pequenas dicas de uma série na outra. Mas não sei: o jeito é esperar para ver. Mas também posso estar viajando legal.

Gostei muito do livro, apesar de ainda achar a história com Percy Jackson um pouco mais interessante, principalmente por causa dos personagens: ainda não encontrei nas Crônicas dos Kane um personagem que eu realmente ame. Mas isso é questão de tempo, talvez ele ainda esteja para aparecer.

E agora é esperar pelo próximo da série….

14
10
2011

Acabei de Ouvir: Sara Bareilles

Para alegrar o seu dia, uma música que eu achei super pra cima e de uma cantora que eu ainda não conhecia, a Sara Bareilles. Mas talvez ela seja bem conhecida e só eu nunca tivesse ouvido falar dela. Às vezes parece que eu vivo numa bolha mesmo: já ouvi tanta besteira nas rádios e sou obrigada a ouvir tanto sertanejo universitário aqui em casa (viva meus irmãos mais novos, matando qualquer resquício de amor fraternal) que acabei me desencantando dos novos cantores/bandas em geral e costumo ouvir sempre os mesmos.

Enfim, a música se chama “Gonna get over you”, o que já me ganha no título de cara, já que eu amo esse tipo de música acabou-mas-eu-vou-me-virar, que é a antítese das músicas de corno, pelas quais eu tenho o maior respeito (fio de cabelo no paletó – ISSO sim é sertanejo). Ah, e o clipe super te faz ter vontade de sair dançando dentro de um supermercado. E se você sair dançando num supermercado, não, não me responsabilizo.

12
10
2011

Pré-Conceitos

 (Post originalmente publicado no blog Chocolates e Devaneios, em 19/04/2011)

     Não importa quantas vezes a gente ouve na vida que não se deve julgar um livro pela capa, sempre acabamos, em algumas situações, por nos deixar levar por esses malditos pré-conceitos que carregamos ao longo da nossa história de vida.

     A verdade é que todo mundo tem algum, e mesmo que a gente tente se livrar deles, muitas vezes não consegue. Afinal, é algo típico do ser humano fazer algumas suposições baseadas apenas no que se vê. Chego até a ser louca o suficiente para afirmar que isso em si não é algo ruim.


     Calma, antes que me venham com mil pedras na mão, explico: o problema não é fazer esses pré conceitos, o problema é tomar eles por verdade verdadeira e não se deixar convencer do contrário. O pior erro que a gente pode cometer é deixar de conhecer alguém, e eu falo em conhecer mesmo, formar amizade, porque essa pessoa não se molda no perfil que acredita-se ser o perfeito.

     Em várias ocasiões, tive amigas que muita gente não entendia como eu conseguia suportar. Algumas amigas minhas tinham a fama de ser “metidas”. Era uma pena, porque acabam sendo excluídas pelo resto da turma e no fim das contas, elas não tinham nada de metidas.

     Pensando um pouco, fico feliz em ver que nunca me deixei levar pelo que os outros dizem de sicrano ou beltrano. Sempre quis conhecer a pessoa e comprovar se tudo o que falavam era verdade ou não. Algumas vezes, infelizmente, os rumores estavam certos: vi muita falsidade e muita hipocrisia. Mas teve vezes (e não foram poucas), que conheci pessoas maravilhosas, apenas incompreendidas.

     Lembro de uma ocasião em especial, quando comecei a falar para uma amiga a seguinte frase: “Sabe, sempre quis dizer uma coisa para você”. Na verdade, queria dizer alguma coisa sobre o relógio dela, que eu achava lindo, mas ela já havia imaginado que eu diria que tinha achado que ela era metida antes de a conhecer. Aparentemente, muitas amigas dela já tinham dito isso.

Preconceito, no fim das contas, é uma forma de proteger a nós mesmos do desconhecido, assim fingimos que sabemos tudo sem ter o trabalho de conhecer… e às vezes, de nos machucar. Mas a verdade é que quando a gente se protege demais, também acaba deixando passar muita coisa boa.

    Proponho um desafio para vocês: deixem os preconceitos de lado, nem que seja por uma semana, e fale com aquela pessoa que você nunca nem chegou perto porque “parece” estranho, metido, falso… Não vou dizer que vocês terão ótimas surpresas sempre, mas pelo menos, se não as tiverem, terão tido a oportunidade de formar uma opinião baseadas em suas experiências, e não apenas em aparências.

Página 56 de 59«1 ...5253545556575859Próximo