Categoria "Bolinhas Aleatórias"
23
10
2013

Algumas Considerações sobre os Spoilers de Allegiant

Distopias são hoje uma grande parte do mercado literário de YA. Afinal, após o sucesso tremendo de Jogos Vorazes, várias outras distopias ganharam espaço, como A Seleção ou Delirium, e claro, Divergente, trilogia escrita pela Veronica Roth que acabou de ter o último livro da série lançado ontem (22/10), Allegiant. Aliás, grandes spoilers já tinham vazado antes do lançamento (com direito a PDF sendo distribuído na internet e tudo), inclusive teve gente que recebeu o livro antes da hora. Mas até que se confirmem os spoilers, a coisa ainda não tinha estourado do jeito que estourou.
 allegiant
E estourou mesmo. Essa não é uma resenha do livro, pois ainda não o li nem mesmo li o tal do PDF, então não posso dar minha opinião nesse sentido. Essa são apenas algumas observações a respeito das várias opiniões deixadas por quem já leu nos sites da internet (eu me concentrei mais nos comentários deixados no site Hypable e na Amazon.com, onde diga-se de passagem, a imensa maioria das reviews são negativas, com uma ou duas estrelas).
E por falar abertamente de spoilers, fica aqui o anúncio: NÃO CLIQUE NO LINK ABAIXO SE VOCÊ NÃO QUER SABER OS SPOILERS TANTO DE ALLEGIANT QUANTO DE JOGOS VORAZES (A ESPERANÇA):
  (mais…)
09
10
2013

Hey, onde você compra livros?

Pode parecer uma pergunta simples, mas nem sempre a resposta é algo direto e certeiro no estilo “na livraria, ué?”. Pelo menos, no meu caso, eu tenho uma resposta um pouco mais complexa para a pergunta. E decidi escrever aqui para todo mundo ler e quem sabe trocar algumas idéias?

Bom, eu compro livros… (mais…)

29
07
2013

Maratona Literária – Desafio I

O primeiro desafio da Maratona Literária, hospedado pelo blog Por Essas Páginas, consiste em escrever uma carta para um personagem que tenha te cativado. Algumas pessoas *cofcoflanyeilycofcof* acreditam que já sabem sobre quem eu vou escrever, e se vocês acertaram, meninas, vocês me conhecem melhor do que eu mesma, porque eu fiquei meio surpresa com a minha escolha. maratona1

Senhoras e senhores, aqui vai a minha carta para um personagem que é muito especial para mim:  (mais…)

24
07
2013

Sobre Doctor Who, Comic Con e conteúdos exclusivos.

Nessa última semana aconteceu a Comic Con em San Diego, que é a convenção geek mais famosa que existe (na minha opinião). É um evento tão grande que a Marvel, a DC Comics e várias emissoras de TV mandam os principais atores de seus filmes e séries para promoverem e também trazerem para os fãs novidades.

Fonte: www.bbcamerica.com

Fonte: www.bbcamerica.com

(mais…)

31
03
2013

Bolinhas Aleatórias: Ebooks e E-readers

Nesse Natal, me dei um presente que já estava há tempos namorando: comprei um Kindle, o leitor de ebooks da Amazon. No fim do ano, nós tivemos dois grandes lançamentos no seguimento: o próprio Kindle e o Kobo, que passou a ser comercializado no Brasil pela Livraria Cultura.

Pelas minhas pesquisas, os dois ebook readers tem algumas diferenças, a mais gritante delas sendo o fato de que o Kobo possui tela touch screen e o Kindle não (pelo menos, não o que estava sendo vendido no Brasil na época). Há também o fato de que o Kindle não lê ebooks no formato epub, que é o mais comum, sendo esse o formato principal do Kobo.

kindle

Como eu não tenho nem nunca vi um Kobo ao vivo e à cores, vou limitar meu comentário rapidamente aos motivos pelos quais me decidi pelo Kindle: a biblioteca disponível na Amazon me pareceu mais interessante (eu leio muitos livros em inglês, e a Amazon tem uma grande variedade de ebooks nessa área); o fato de ele não ser touch, o que num primeiro momento pode parecer um retrocesso, foi para mim outro fator determinante, já que eu conseguia ver as bananadas que a minha falta de coordenação motora poderia aprontar com mais uma tela touch screen na minha vida; e por último, mas não menos importante, o preço. Enquanto o Kobo estava R$ 399,00, o Kindle me custou cem reais a menos. Para mim, fez diferença.

Quanto ao formato epub, que o Kindle não lê, fica a dica: existem bons conversores de .epub para .mobi (o formato original do Kindle) para baixar na internet. Eu uso o Calibre Library, que além de ser um ótimo conversor, ainda ajuda a organizar todos os arquivos de ebook que você por ventura tenha armazenado no seu computador.

E já que estou dando dicas de programas para potencializar o uso dos e-readers, outro programa que é uma baita ajuda para quem ama ler fanfics, mas nem sempre aguenta ler aquele monte de capítulos na tela do computador, existe o Fanfiction Downloader: basta colocar o link da fic desejada do Fanfiction.net (não sei se funciona em outros sites) e ele não só faz o download, como transforma o arquivo em .pdf, .epub ou .mobi, de acordo com o gosto do freguês.

Por fim, a pergunta que não quer calar: afinal de contas, vale a pena ter um ebook reader? Para mim, sim. Entre vários motivos, porque está ficando cada vez mais fácil conseguir o ebook que você quer no Brasil: as editoras começaram a se atentar para esse novo mercado. O ebook sai mais barato que o livro físico (não tão mais barato como nós gostaríamos, mas ainda assim, mais barato). Para quem acompanha séries de livros em inglês, é com certeza uma maneira de conseguir o livro bem mais rápido: o The Indigo Spell, terceiro da série Bloodlines, da Richelle Mead, estava no meu Kindle logo depois de ser lançado. Se fosse para esperar o livro físico, ou ia demorar aproximadamente um mês para chegar ou então eu ia gastar bem mais para comprar o livro em alguma livraria que o importasse.

E ler um livro no Kindle é muito mais confortável do que ler na tela do computador ou do tablet. Eu já li livros inteiros na tela do iPhone, e não aconselho ninguém a fazer isso. A luz vai aos poucos cansando a visão, e por ser uma tela pequena, as letras também são pequenas…

Meu Kindle com o livro "Noites Negras de Natal" de duas escritoras brasileiras e maravilhosas, a Karen Alvares e a Melissa de Sá. Vale muito a pena!

Meu Kindle com o livro “Noites Negras de Natal” de duas escritoras brasileiras e maravilhosas, a Karen Alvares e a Melissa de Sá. Vale muito a pena!

Já no Kindle a tela é idêntica a de um livro. A cor de fundo é uma cor muito semelhante a de um papel mesmo (não é totalmente branca, por exemplo – é mais amarelada) e é possível até ver a “sombra” da página seguinte. Você tem a opção de aumentar o tamanho da letra e até de fazer anotações no livro. Essa é uma função que eu não utilizo muito: acho ruim ter que escrever qualquer coisa no Kindle, já que ele não tem teclado, apenas os botões das setas, e aí você tem que ficar achando as letras num teclado que aparece na tela. A única coisa para a qual eu utilizo esse recurso do teclado é para procurar algum livro específico na loja Kindle, já que ele tem acesso à rede wi-fi.

Diz a lenda que você poderia até navegar na internet com o Kindle, mas eu nunca tentei, exatamente porque sem teclado e sem mouse, deve ser meio complicado. E depois, o Kindle não foi feito para isso (o Kindle Fire, que a Amazon comercializa em outros países, foi, mas como a versão brasileira é bem mais simples…).

Um dos motivos que eu acho mais determinante para definir se um e-reader vale a pena ou não é a vantagem que você tem de carregar 500 livros num aparelhinho que não pesa nem metade de um. Sério, eu carrego o meu na bolsa, e olha que eu uso uma bolsa bem pequena, e em qualquer lugar que eu esteja, posso escolher de uma variedade enorme de livros. Para uma apaixonada pela leitura como eu, isso é basicamente poder levar uma biblioteca inteira na bolsa… ou seja, um sonho tornado realidade.

Só termino esse post deixando uma coisa bem clara: apesar de todas as vantagens que ter um ebook reader traz, não acredito que isso signifique o fim dos livros em papel. Afinal, o que seria o mundo sem o cheiro de um livro novo, ou de um livro velho? Sem a sensação da textura do papel entre os dedos, ou sem o barulhinho gostoso do virar a página? Tenho alguns livros que carregam em suas páginas manchas de café, marcas de lágrimas, anotações e marcações que me remetem a quem eu era, onde eu estava e como eu estava me sentindo quando estava lendo. Esses livros carregam muito mais histórias do que aquelas que estão escritas nas letras impressas. Se simplesmente esquecermos essa parte porque os livros agora serão todos digitais, vamos perder muito mais que papel e tinta.foto3

31
08
2012

Sobre o Desânimo de Ler

Eu amo ler. Se você der uma passeada aqui pelo blog, você percebe como isso é verdade. Mas de uns tempos pra cá, parei um pouco com todo aquele entusiasmo. Nem fiz mais post de livros do mês. Por quê?

Quero deixar bem claro que não parei pura e simplesmente de ler: li The Golden Lily, o segundo livro da série  Bloodlines, da Richelle Mead, e gostei muito. Acho que a autora criou personagens bem interessantes dentro dessa mitologia de vampiros e alquimistas e tudo o mais. Enfim, não vou me aprofundar muito.

Voltando às minhas explicações a respeito de todo o desânimo. Primeiro, a vida me pegou de jeito: passei uma boa parte dos últimos meses escrevendo meu artigo da pós-graduação. Claro, li muito para isso, mas nenhum livro de literatura mesmo, desses que mostram como a leitura é um prazer, não uma obrigação.

Depois, com o artigo da pós entregue, até consegui ler um livro: o This Lullaby, da Sarah Dessen. O livro é bem gostosinho de ler e consegue ser um romance adolescente que escapa de alguns clichés e que não tem um final felizes para sempre, como num conto de fadas, mas um final mais pé no chão.

Aí, como eu sou dessas que diz que a gente nunca pode basear as próprias opiniões no que a gente ouve falar, encarei o desafio e li 50 Shades of Grey (50 Tons de Cinza, na edição brasileira) da E.L. James. Para não ficar aqui descascando o verbo em cima do livro, tudo o que vou dizer é que a única razão que eu consigo visualizar para que esse livro tenha feito o sucesso que fez é que se trata de um assunto tabu (mas que as pessoas tem muita curiosidade) de uma forma bem romantizada, o que faz quem lê se sentir mais confortável. Mas em termos de escrita, de vocabulário e de desenvolvimento de personagens? É, o livro deixa muito a desejar. Muito.

Comecei então a ler O Guia do Mochileiro das Galáxias, do Douglas Adams. Eu amo esse tipo de leitura, mas acho que o 50 Shades me quebrou um pouco e qualquer entusiasmo que eu possa ter foi pelo ralo. Eu ainda estou tentando reencontrá-lo (é Douglas Adams!!!) mas por enquanto…

Uma notícia feliz para mim é que amanhã, finalmente, começa a sétima temporada de Doctor Who! Estou esperando ansiosamente que essa temporada seja melhor que a anterior (que foi, sinceramente, a pior desde que a série voltou em 2005), até porque o nome do segundo episódio é “Dinosaurs on a Spaceship” e isso é basicamente a minha infância descrita em um episódio! Muitas esperanças mesmo!

08
04
2012

Dicas para Música de Formatura

Então, você vai se formar. Chega a hora da festa, você sai correndo atrás da roupa perfeita, dos sapatos que dêem certo com a roupa, corre para a internet para procurar idéias de penteado e maquiagem que mais combinem com você… e aí se depara com um dilema: a escollha da música para a entrada na festa de formatura.formatura

Pode parecer algo fácil para alguns, mas garanto que a maioria, como eu, acaba se batendo para achar a música ideal. Afinal, são tantas as opções, como escolher qual é a melhor para você? Aí vão algumas dicas:

1. Lembre-se que essa é a sua formatura. Escolha algo que vá significar muito para você.

Porque eu digo isso? Porque às vezes a gente esquece e acaba escolhendo alguma coisa nada a ver e se arrepende depois. Tenha em mente sempre que essa é a sua formatura e aquele momento vai ficar marcado na sua vida. Escolha algo que tenha significado.música para formatura

2. Tente fugir das músicas muito manjadas.

Essa é uma dica importante: só escolha músicas como “Vou Deixar” do Skank se ela realmente significar algo pessoalmente importante que você queira relembrar na sua formatura. 9 em cada 10 festas de formatura contam com um formando entrando com essa música: se você se decidir por ela, que seja pelo seu significado. Senão, é só mais uma vez que ela foi usada, e aí perde o sentido… Quem nunca pensou que “Pescador de Ilusões” d’O Rappa daria uma ótima música de entrada? Pois é, quase todo mundo.

E aí eu repito uma máxima: a formatura é sua. Se você quiser entrar com uma música que já foi bastante usada, entre e divirta-se. Só fica a dica: quer entrar com “A Estrada” do Cidade Negra (Você não sabe o quanto eu caminhei…)? A música é legal e a letra tem tudo a ver, concordo. Só verifique se não tem ninguém na sua turma que teve a mesma idéia…

3. Tenha em mente qual a mensagem que você quer passar com a música.

Você pode escolher uma música pelo significado dela nesse momento da sua vida; eu, por exemplo, entrei com “Unwritten” da Natasha Bedingfield, por causa da letra: “Today is where your book begins/ The rest is still unwritten” que numa tradução bem livre, “Hoje é quando seu livro começa, o resto ainda está para ser escrito”. É uma música que eu amo e que tinha tudo a ver com o momento, para mim. Minha outra opção era “Don’t Rain On My Parade” na versão cantada pela Lea Michele na primeira temporada da série Glee.

Outra opção é entrar com uma música para complementar o ritmo festivo, ou seja, escolher uma música engraçada que tenha a ver com você: uma amiga minha entrou com o tema do “Miss Brasil”, por exemplo (não, gente, eu não tenho essa música para mandar para ninguém – já coloco aqui porque toda vez me pedem). Em outra formatura, vi um formando entrando ao som de “Aleluia”. Não sei se era realmente um milagre ele ter chego até ali, mas garanto que não teve ninguém no salão que não riu.

Ou você pode escolher uma música que represente quem você é, ou pelo menos quem foi durante a faculdade dentro da sua turma. Se você foi uma dessas bem festeiras, talvez você possa querer entrar com “Baladeira”. Já vi gente entrar com a música-tema dos Flintstones porque vivia gritando “Yaba-daba-dooo” nas festas da turma, e com o tema de “Jaspion” porque era esse o apelido que ganhou durante os anos de faculdade.

E se você imitar o Silvio Santos, por favor, entre com “Ritmo de Festa” e me manda o vídeo, vai?

4. Por fim, lembre-se: sua família vai estar lá e provavelmente tudo vai ser filmado.

Logo, não faça nada que você possa se enrolar depois para explicar. Claro, cada um tem sua família e seu jeito de lidar com ela, mas é sempre bom ter isso em mente e não inventar de entrar com a “Dança do Créu” e depois ter que explicar para a sua avó de 90 anos o que isso quer dizer.

Ainda não conseguiu pensar em nenhuma? Aqui vão algumas sugestões (algumas até bem manjadas, mas se funcionar para você, tá valendo):

  1. Firework – Kate Perry
  2. Hakuna Matata – Timão & Pumba
  3. All Star – Smash Mouth
  4. Catch My Disease – Ben Lee
  5. Tubthumping (I Get Knocked Down) – Chumbawamba
  6. My Life Would Suck Without You – Kelly Clarkson
  7. Don’t Worry Be Happy – Bobby McFerri

Espero que essas dicas acabem dando uma luz para alguém na hora de escolher a música de entrada na festa de formatura. De qualquer maneira, espero que seja uma festa divertidíssima porque vou te contar: essa época deixa uma saudade…

Ah, quer mais dicas? Esse post tem uma parte 2.

Siga o blog nas redes socias:

Twitter | Facebook | Instagram

29
11
2011

Bolinhas Aleatórias: A Misteriosa Vida Real das Dançarinas de Palco

Outro dia, tive a oportunidade de apreciar o programa do Raul Gil num sábado à tarde. E junto com toda a dinâmica de um programa de platéia, veio também aquelas misteriosas meninas, todas bem maquiadas e com roupas esvoaçantes, brilhantes e curtas, que ficam dançando alegremente lá trás, enquanto outros menos afortunados (mas, temos de admitir, um pouco sedentos pelo tipo de fama e reconhecimento que só um programa como Raul Gil dá) ficam ali, tentando convencer os jurados/ a platéia/ você, nobre espectador, que tem voz linda/ dançam muito bem/ não fazem nada mas merecem ser famosos.

Mas, enfim, o que me intriga toda vez que vejo aquele grupo de meninas ali atrás, com aquele sorriso inabalável, é a misteriosa vida real que essas dançarinas tem. Como será que é voltar para casa após um dia de trabalho intenso, todos os músculos do corpo doendo (com especial ênfase nos músculos das bochechas, é claro, porque todo aquele sorriso tem um preço, tem que ter), colocar calça jeans e camiseta e voltar a ser… normal?

Foto retirada do site celsojunior.net

Aliás, qual será a reação da família dessas meninas que dançam na tv? Será que o pai dessas fica todo orgulhoso, chama todos os vizinhos e parentes em casa para ligar a tv de 29 polegadas e ver a menininha dele dançar?  “Opa, acho que a calcinha dela acabou de aparecer em rede nacional” diria aquele amigo mais debochado. “Claro que não!” o pai da dançarina responderia indignado. “Você não sabe que eles colocam aqueles shorts de lycra para não aparecer mais do que deve?!”.

Minha imaginação vai mais longe: será que alguma daquelas meninas está ali realizando um sonho? Ou será que consideram aquele apenas um pequeno passo numa longa carreira? Logo, logo, um grande produtor, assistindo o Domingão do Faustão, irá olhar para uma delas e sentirá que encontrou a próxima estrela de seu grande filme? A próxima cena na vida dessa menina seria o recebiment0 de um Oscar… e ela sempre poderia dizer que começou com uma dançarina, repetindo 20 a 50 vezes uma ou duas sequências de passos que se adaptam conforme o ritmo da música que está tocand0 sem, é claro, perder o sorriso encantador (ai, se uma câmera pega uma delas sem o sorriso no rosto… é despedida por justa causa na hora).

Foto retirada do site 180graus.com

Acabo todas essas reflexões aclamando a coragem dessas meninas que, por alguns minutos de exibição em rede nacional, aceitam ser basicamente um objeto de decoração nesses palcos da vida (ou dos fins de semana, como preferir). Ou talvez não seja essa a real motivação delas, mas quem poderá afirmar, afinal, o que se passa na cabeça e no coração das dançarinas de palco?

30
12
2010

Feliz Livro Novo!

O fim do ano chegou e assim, encerra-se mais um ano em sua vida.
Quando este ano começou, ele era todo seu, foi colocado em suas mãos e você  podia fazer dele o que quisesse. Quem dava os títulos para os seus capítulos e decidia se o livro seria de aventura, romance, comédia ou terror, era você. Quem desenhou suas ilustrações e marcou os momentos mais emocionantes, foi você.

Hoje você não pode mais,  escrever nesse livro, ele já não é mais seu. É um livro já escrito, concluído…

Antes que termine este ano, releia seu livro, passe novamente pelas partes mais emocionantes, pelo que mais te tocou nessa história. Se existirem capítulos mais tristes e você sentir vontade, chore sobre essas páginas. Quando as palavras forem mais alegres, sorria, ria… folheie as páginas com cuidado, elas fazem parte da história mais importante da sua vida: a sua.

E prepara-se: logo estará em suas mãos um livro novinho para você começar a escrever de novo. Qual a história que você quer escrever a partir de agora?

Feliz Livro Novo!

(adaptado de um e-mail que recebi e que não dizia quem era o autor do texto).

Página 9 de 9123456789