18
05
2014

O Caso da Bandeirinha e do Machismo no Futebol

Hoje é domingo, dia de almoçar com a família reunida e com a tv ligada no Esporte Espetacular. E aí eu, que não acompanho esporte nenhum, fiquei sabendo do caso da bandeirinha Fernanda Colombo, mulher, coisa que já é rara no futebol brasileiro, que cometeu uma série de erros nas partidas em que fez parte da arbitragem. Foram erros grotescos, pelo que eu pude entender. E isso não é novidade aqui no Brasil, é? A arbitragem cometer erros? Mas quem cometeu esses erros foi uma mulher. E aí os comentários machistas começam a aparecer.

O diretor de futebol do Cruzeiro, Alexandre Mattos, porém, conseguiu me tirar do sério com as suas colocações. Ele começou dizendo que a bandeirinha não cometeu erros, que ela é ruim mesmo. Posso estar enganada, mas algo me diz que se estivéssemos falando de um bandeirinha homem, a frase do nosso expert aqui seria diferente. Aposto que ele teria acusado o bandeirinha de estar comprado pelo outro time. Afinal de contas, um bandeirinha homem não erra e quando erra, é de propósito, não é mesmo? Mas uma bandeirinha mulher não tem toda a capacidade de um homem, logo se ela erra, ela é ruim mesmo.

Mas claro que não parou por aí. Depois disso, ele ainda continuou dizendo que se ela era bonitinha, ela devia ir posar para a Playboy. Uau, se isso não é machismo escancarado, não sei o que é. Estavámos discutindo a performance profissional da bandeirinha, certo? Mas de repente, reduzimos a pessoa, a profissional, a mero objeto de luxúria.

Sim, porque mesmo que não haja problema algum se a bandeirinha um dia quiser posar para a Playboy, obviamente, o personagem mítico dono das afirmações acredita que o valor dessa mulher em especial se limitaria a ser objeto de desejo dos homens. Afinal, não é para isso que as mulheres existem? Para que seu valor seja mensurado pelos homens?

Se a bandeirinha errou feio, que passe pelas mesmas punições que todos os bandeirinhas que erram feio (e sim, existem muitos que erram, alguns cometeram erros grotescos naquela semana, mas ninguém falou deles, né?) . Será que o fato de ser uma mulher numa profissão exercida predominantemente por homens significa que ela deve ser perfeita e não cometer erros jamais?

Ah, após toda a polêmica, o nosso amigo com colocações tão interessantes foi chamado pelo Esporte Espetacular para mandar uma segunda mensagem para a bandeirinha. Começou dizendo que não queria ofender. Devo confessar que não ouvi mais nada depois disso. Se ele teve a cara de pau de dizer que não quis ofender, obviamente nada melhor viria por aí.

O Brasil é o país do futebol. É uma pena que o esporte ainda seja machista a ponto de ser estúpido.

Subscribe
Notificar-me quando houver
guest

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Ludimila Ferreira
Ludimila Ferreira
6 anos atrás

Isso foi totalmente ridículo, e mais ridículo que o próprio comentário do Mattos, são os comentários nessa matéria que você linkou. Só deu esse bafafa todo porque ela é mulher, afinal, quantos juízes por aí erram e fica por isso mesmo? Totalmente ridículo.

trackback
6 anos atrás

[…] no trabalho porque é competente, mas ela deve ter dormido com o chefe” e do “se a bandeirinha errou, logo ela deveria posar na Playboy e não continuar a trabalhar com todos os …” porque a mulher nunca é competente o suficiente para avançar no trabalho, logo sempre deve […]