24
08
2017

Acabei de Ler: Fisheye – Kamile Girão

Eu conheci as obras da Kami Girão no Facebook e tinha muita vontade de conhecer melhor sua escrita. Acabei tendo a oportunidade quando ela abriu inscrições para parceria. Fiquei muito feliz quando o blog foi selecionado para ler Fisheye, seu mais novo livro. A história me chamou bastante a atenção, e vocês já irão entender porque. É com muita alegria que compartilho com vocês meus pensamentos sobre Fisheye aqui no Pequenos Retalhos.

AutorKamile Girão
Editora: Wish
Páginas: 320
AdicioneSkoob | Goodreads

A História de Fisheye

Fisheye vai contar a história de Ravena, uma jovem que está em época de vestibular e vive as mesmas preocupações de qualquer menina de sua idade. Ravena também se preocupa demais com o que todos pensam dela e por isso faz de tudo para passar uma imagem perfeita. Porém, sua vida acaba tendo uma reviravolta quando ela descobre que o fato de ser atrapalhada e esbarrar em tudo que é lugar tem uma razão mais séria do que qualquer um imaginaria: Ravena sofre de uma doença degenerativa chamada retinose pigmentar. Isso basicamente quer dizer que ela vê o mundo como se através de um canudo, ou de uma lente fisheye. E a doença pode ir afetando cada vez mais a sua visão, até eventualmente deixá-la cega.

Basicamente, o efeito de uma lente Fisheye.

Como já era de se esperar, isso é um baque e tanto para a Ravena. De repente, até seus planos para faculdade são colocados à prova. A notícia vai aos poucos mudando a maneira como ela se relaciona com aqueles que estão à sua volta. Devido a tantas mudanças, ela acaba fazendo amizade com alguém que nunca teria pensado antes: Daniel, sobrinho de um dos padres de sua escola.

Daniel é um pouco mais velho que Ravena e já está na faculdade. Porém, voltou a morar com o tio que o criou novamente, porque seu tio está com câncer. Daniel porém não seria nunca da mesa dos populares, pois traz em sua face várias cicatrizes de queimadura.

Ravena ainda contará com a ajuda de Micael, seu amigo de infância, e de sua irmã Victória, para fazer as pazes com seu destino. E descobrirá aqueles ‘amigos’ que simplesmente não valem a pena também.

Minha Experiência de Leitura com Fisheye

Um dos pontos que mais me chamou a atenção na sinopse de Fisheye e motivo pelo qual eu quis muito essa parceria é a discussão da aceitação de uma deficiência. Como eu sou uma pessoa com deficiência, sei que não é tão fácil. Mas no meu caso, a deficiência sempre foi uma constante na minha vida. Nasci com ela. Não sei qual seria minha reação se descobrisse ter uma doença como a da Ravena. Principalmente com um prognóstico tão incerto e assustador.

Por isso, acompanhar Ravena nesse processo de aceitação foi uma jornada intrigante. A personagem torna-se ainda mais interessante devido à sua necessidade de manter as aparências. Ela tem amigas nas quais não confia e sabe que elas não confiam exatamente nela também. Ela namora um menino pelo qual acredita estar apaixonada, mas os dois não assumem seu relacionamento por causa de aparências. Muitas das ações de Ravena são tomadas levando em consideração o que pensarão dela.

Quando ela recebe a notícia, ter que lidar com isso acaba levando a personagem por uma jornada de autoconhecimento. E sua amizade com Daniel faz toda a diferença. É ele que a ajuda a fazer perguntas sobre si mesma que ela ainda não tinha feito. Ele abre seus olhos e a faz questionar várias verdades sobre si mesma.

A sua ligação com a fotografia (ela tem uma velha máquina Polaroid que apelidou de Dear Prudence) num primeiro momento poderia lhe trazer tristeza, mas acaba sendo um instrumento para que ela tome decisões sobre seu futuro. Tomar a decisão de fazer o melhor enquanto pode é algo complicado, mas que a autora soube descrever de forma magistral.

Por todos esses motivos, recomendo muito a leitura dessa obra. Além de tudo, é um romance nacional, e é sempre legal dar apoio à literatura nacional, não é mesmo?

Vocês já leram um livro sobre esse tema? O que acharam?

Siga-me por aí:

Twitter | Facebook | Instagram

Skoob | Goodreads

Deixe um comentário

Notificar-me quando houver
avatar
Fábrica dos convites

Oi Mari, que triste esta vida de Ravena, triste por tentar ser perfeita e triste por descobrir esta doença tão grave. Pior ainda é tentar manter as aparências depois disso. As amigas de quem ela não confia, deveria era manter distância, pois gente assim nunca podem ser chamadas de amigas.
Não conhecia o livro e vou anotar a dica
Bjs, Rose.

Helana Ohara

Oi,
é um livro com uma história linda. Não conhecia a doença. E olha que legal, ler sempre trás essas descobertas para nossa vida.
Ravena teve um processo de aceitação complicado principalmente por manter as aparência, dificil para ela.

VANESSA

Olá! Tudo bem? Não li nenhum livro desse tipo, quero muito ter essa oportunidade igual você teve. Eu sei que deve ser muito triste ter uma doença assim mas, muitas pessoas tem e é um tema ainda um tanto delicado, quero muito ler.
Beijocas.

http://www.meumundosecreto.com.br

Karolline Vicente da Silva

Que linda história!! Normalmente nos livros que eu leio, quando o personagem tem uma reviravolta em sua vida, os escritores em sua maioria, sempre escrevem sobre um fenômeno (como poderes e etc). Então, esse “detalhe” da Ravena ter uma doença assim, me deixou bem intrigada, até por que pelo que você escreveu, a autora escreve o desenrolar da doença. Eu acho bacana essa iniciativa para que os leitores se identifiquem cada vez mais, e assim a exclusão também diminui mesmo na literatura. Adorei o post!

Um enorme beijo, Karol Vicente.
http://www.palavrasambulantes.com

Morgana Brunner

Oi Mari, achei tão triste essa historia que nem sei se eu realmente leria menina, acho que choraria e muito, principalmente pela Ravena ter essa doença, no qual conseguiu me deixar bem abalada. Quem sabe futuramente eu dê oportunidade.
Beijinhos

Lucy

Oi, Mari! Embora não tenha nada muito sério, um dos meus maiores medos é ser diagnosticada com algo degenerativo e também não conseguir me adaptar. Só posso imaginar como é difícil para personagem e também como às vezes é inútil planejar uma vida inteira, quando o amanhã não nos pertence de fato.
Adorei a resenha e adorei as arts! Vou colocar na minha lista de leitura.
Bjos!

Aline Furtado

Olá!
Pela premissa, parece ser uma leitura emocionante e bastante reflexiva.
Fiquei curiosa para conhecer a história de Ravena e descobrir como ela vai lidar com tudo.
Dica anotada.
Beijos.

Neyla

Oi Mari!
Mas que coisa linda essas ilustrações, eu tô apaixonada! <3
Por conta delas estava imaginando que seria um romance fofinho, todo cheio de amor e acabei ficando de cara no chão quando vi que ele tem uma história bem comovente.
Fiquei super interessada, acho que vou gostar bastante.
Beijos

Yasmim

Olá, tudo bom? (:
Que premissa, meu deus, uau! Nunca li nada parecido..fiquei com dó da Ravena, deve ser muito dificil descobrir ter uma doença degenerativa assim, especialmente nos olhos, um órgão extremamente importante… parece ser uma leitura triste. Amei a resenha, passou muito bem suas considerações!
Beijos, Yasmim.

Blog: https://literarte.blog.br/

Saga Literária

Olá, tudo bem?
Eu não conhecia esse livro, achei as ilustrações bem legais. A história parece ser muito bonita e que barra descobrir essa doença grave e degenerativa, deve ter sido difícil o processo de aceitação, tendo em vista que sua aparência estava mudando.
Abraços

Camila de Moraes

Olá!
Não conhecia essa história Mari.
Fiquei bem curiosa pra conhecer mais da Ravena e como ela lida com as situações adversas que a vida (trama) impôs para ela.
Sem dúvidas será uma das minhas leituras futuras.
Beijos!

Sâmella Raissa
Oi, Mari! Já li um outro livro da autora, Outubro, e gostei bastante, ainda que não tenha me cativado tanto como esperava, mas realmente consegui perceber o talento da Kamile desde então e por isso estive e continuo estando ansiosa por favor a leitura de Fisheye agora. Já tenho o interesse por livros, filmes e séries com temáticas de deficiências e doenças justamente por apresentar outras realidades com as quais pessoas diversas podem se identificar, mas nunca tinha tomado conhecimento da retinose pigmentar até ver nos posts da autora ao falar sobre o livro e parece mesmo ser uma historia… Ler mais
Suzana Linhares

Olá! Nossa, essas ilustrações estão lindas! Parabéns pela resenha, fiquei bastante curiosa para conhecer a história da Ravena. Deu para perceber que é uma história linda e emocionante, beijos!

Beatriz Andrade

Eu não conhecia o livro e já no começo da sua resenha eu fiquei curiosa, adorei conhecer a trama e ver o tema que ela aborda. Parece ser uma leitura excelente e eu gostaria muito de realizá-la.

Mari

Oi, Mari…fiquei muito curiosa com a história eu não conheço essa autora.
Confesso que tenho quedas por livros de superação e já coloquei na minha lista. Muito obrigada pela dica.
Adorei seu blog, viu! 🙂

http://www.papuff.com

Haise

Nossa, que história bacana, fiquei curiosa pra conhecer Ravena. Essa temática é tão importante e são poucos livros que trazem personagens que possuem alguma deficiência, então com certeza o coloquei na minha listinha. As ilustrações no começo do post são lindas!

Vêvévi

Oi Mari,
Adorei a resenha.
Fiquei bem curiosa com a história exatamente pelo ponto que levantou sobre a deficiência e a aceitação.
Marquei na listinha já.
Beijos

Douglas Augusto

Heeey! Eu nao tenho como dimensionar o quanto eu gosto de livros assim. Eu realmente estou querendo ler esse livro agora. Me lembro em partes um livro chamado Surpreendente que gostei bastante.
Abraços.

Laura

Hello!
I really liked the post hehe, thanks for sharing it. I followed your blog, could you follow me back?
A hug!.

Kah Fernandes

Nossa que diferente, não conhecia sobre esse livro e acho que seria uma leitura muito valida. Fico feliz que você tenha conseguido fazer a leitura e tenha gostado, no final é isso que importa não é?

Beijos

Alessandra

Gostei bastante da sua indicação.
Ainda não conhecia esta história, mas fiquei com muita vontade de lê-la após sua resenha.
Costumo sempre me envolver com narrativas onde os personagens precisam se conhecer melhor para superar diversas situações, isso os torna mais humanos e reais.

Mia

Eu também fiz essa parceria com a Kami e tô louca pra ler esse livro – só tô esperando conseguir encaixá-lo entre as leituras da faculdade e as outras, que chegaram antes e eu ainda não consegui ler. Mas pela tua boa resenha, já sei que vou gostar.

;*

Thainá

Oiee!!
Não conhecia esse livro antes, mas achei a capa bem fofa e a capa promissora.
Vou querer saber mais.
Beijos

Beatriz Cavalcante

Eu adorei essa história e achei legal que não era só sofrimento e lamentação, sabe? Geralmente histórias sobre doenças tem essa coisa de ser muito pesada ou dramática mas acho que a Kamile acertou em escrever Fisheye de um jeito mais leve. 😀

Ana Caroline

Olá, tudo bem? Gente, parece ser uma história bem tocante e emocionante. Não conhecia, confesso, mas depois da sua resenha inspirado fiquei admirada e bem curiosa de conhecer sobre o enredo. Não tenho deficiência, por isso talvez não crie essa conexão toda, porém noto que conseguimos captar os sentimentos e o drama da personagem principal, e só isso já me faz ser uma manteiga derretida. Adorei!
Beijos,
diariasleituras.blogspot.com.br

Thayenne

Olá,

Adoro livros que nos fazem pensar e esse vai falar de um assunto que ainda é pouco abordado nos livros, espero conhecer essa história em breve.

Beijos,
oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

wpDiscuz