24
09
2019

Como Encantar Um Canalha – Suzanne Enoch

Como todo mundo que frequenta o blog já sabe, eu amo um bom romance histórico. Suzanne Enoch já é conhecida por aqui. Nós temos vários posts sobre suas obras, inclusive a Como Se Vingar de Um Cretino, primeiro livro dessa série. Hoje vamos falar da continuação, Como Encantar Um Canalha. Mas devo confessar que esse livro me surpreendeu bastante. E não necessariamente de uma boa maneira. As surpresas foram mais no estilo “não acredito que isso está realmente acontecendo aqui”. Porém, tudo isso eu explico com mais detalhes nesse post.

Título OriginalThe Rake
AutorSuzanne Enoch
Série: Lessons in Love #1
Editora: Harlequin Books
Páginas: 282
AdicioneSkoob | Goodreads

Como Encantar Um Canalha

Essa é a história de Evelyn, uma moça da sociedade londrina que não se conforma com a atitude de alguns homens. Por isso, ela e suas amigas decidem que devem ensinar algumas lições de comportamento para eles. Cada uma escolhe um aluno para ajudar, normalmente os piores exemplos da sociedade.

Evie acaba escolhendo o Marquês de St. Aubyn, que ironicamente é chamado de Santo. Ela acaba o conhecendo porque insiste em voluntariar seu tempo para as crianças de um orfanato chamado Coração da Esperança. Santo, por sua vez, faz parte do conselho que gerencia o orfanato. Mas não é porque ele quer, e sim por um capricho de sua mãe, que já faleceu. Porém, ele descobriu como escapar da incumbência. Tudo o que deve fazer é destruir o orfanato e mandar as crianças para outras casas de acolhimento.

Quando Evie descobre os planos dele, já está envolvida em várias ações para ajudar as crianças do orfanato. Dessa maneira, fica muito brava e decide fazer um trato com ele, que em quatro semanas o convencerá a manter o orfanato funcionando. Santo, porém, só concorda porque está interessado em levá-la para a cama.

E aos poucos os dois vão se conhecendo melhor. Mas para isso algumas situações absurdas acontecem no meio do caminho, inclusive envolvendo sequestros, cativeiros e as crianças do orfanato. Tudo junto e misturado. E foi aí que comecei a estranhar Como Encantar Um Canalha.

O Que Que Tá Acontecendo Nesse Livro?

Como Encantar Um Canalha lança mão de algumas narrativas que não consigo entender. A primeira delas é que o Santo é o típico bad boy de época. Ele tem todas as características dos bad boys dos romances atuais: foi machucado emocionalmente, tem problemas de família e usa isso como desculpa para usar as mulheres com as quais se relaciona. E por isso também deve ser curado pelo amor de uma boa moça. Mas até lá vai tratá-la mal até perceber que o que sente é amor.

A Evie é muito boazinha. Até demais. E isso você percebe na forma como ela se relaciona com a família, por exemplo. O irmão dela, Victor, é um lixo. Ele acabou de voltar da Índia e decidiu que iria fazer carreira política. Para isso, ele usa a irmã solteira para ajudar nas conexões. Por isso, ele manda e desmanda nela, sem nenhuma consideração pelo que ela quer ou sente. Em nenhum momento, ele demonstrou qualquer tipo de preocupação pelo seu bem estar. A única preocupação que tinha era como as atitudes dela iriam influenciar na sua carreira. O pior de tudo? Evie aceita. E só vai realmente bater o pé quando a atitude dele ultrapassa todos os limites.

O Maior Absurdo

Agora, o maior absurdo mesmo vai acontecer no meio da história. Eu até não queria descrever aqui, e se você não gosta de nenhum tipo de spoiler, sugiro que não leia os próximos parágrafos e pule direto para o fim do post.

Quer continuar? Ok, vamos lá.

Como que usar crianças para sequestrar um marquês e mantê-lo acorrentado num calabouço por uma semana pode ser considerado normal? Alguém me explica, por favor? Eu ainda estou assustada com isso. Eu nem gosto do Santo, mas achei isso um absurdo muito grande. Além de tudo, Evie ainda usa as crianças como cúmplices. Mesmo que eu entenda as razões dela, não consigo aceitar manter alguém acorrentado como algo normal.

Acredito que a autora aqui exagerou e muito na história.

Pronto, acabou o spoiler.

Foram essas algumas das razões que não me permitiram curtir tanto a leitura. Talvez, sem esses artifícios, eu tivesse gostado mais de Como Encantar Um Canalha. E devo dizer que o final melhora um pouco, mas ainda assim algumas cenas pareceram um pouco irreais.

Colocando os pontos positivos e negativos na balança, foi um livro bom, mas não muito. Pelo menos saiu do lugar comum e conseguiu ser memorável. Uma pena que não da melhor maneira possível, mas já é alguma coisa.

E vocês, já leram algum livro que foi tão absurdo que lhes deixaram de cabelo em pé?

avatar
6 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
6 Comment authors
Mara Cerqueira SantosKaroline GonçalvesMarijleiteKênia cândidoKarini Couti Recent comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Subscribe  
Notificar-me quando houver
Michelle

Olá o livro é total novidade para mim, e confesso que mesmo com sua resenha super caprichada não senti atraída pela leitura, é claro que você esclarece muito da obra, mais acho que nesse momento não conseguiria ler um livro assim, entretanto adorei sua sinceridade e considerações a repeito dele, beijos!

Karini Couti

Tudo bem? Sempre ouço minhas amigas falando super bem da autora e dos livros dela.
Eu não leio muito o gênero, mas confesso que algumas vezes acabo ficando curiosa.
Adorei seu post.
Beijos.

Kênia cândido

Oi Mari.

Alguns autores exageram mesmo na história e as vezes precisamos embarcar na loucura para terminar a leitura. Pelo menos é assim que faço com as minhas leituras quando encontro um absurdo muito grande. Como ainda não conheço a escrita da autora, não sei o que pensar do detalhe que mencionou. Já adicionei na minha lista para conferir melhor essa história. Obrigada pela dica.

Bjos
https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

Marijleite

Oi, eu li o primeiro da série e gostei bastante, então estou curiosa para ler esse segundo. Pena que rolaram essas cenas que lhe incomodaram.

Karoline Gonçalves

Oi, Mari. Tudo bem?
Que livro complicado, hein? Eu li o spoiler e me perguntei: por que, senhor? kkkkk
Posso dizer que nao sou uma eximia leitora de romances , de época ainda , piorou. Mas as vezes me rendo às peripécias de séculos passados, muito clichÊs, amores sufocados e juras de amor eterno. Esse me pareceu seguir a receita, exceto pela fatídica cena polêmica.

As fotos estão lindinhas.

Bjokas

Mara Cerqueira Santos

Como você também sou apaixonada por romances de época, mas não conheço ainda esta autora.
Uma pena que neste livro, você não tenha sido surpreendida positivamente!