23
03
2016

Acabei de Ler: Os Dois Mundos de Astrid Jones – A.S. King

astridjones“O movimento é impossível.” É o que Astrid Jones, 17 anos, aprendeu na sua aula de filosofia. E, vivendo na pequena cidade em que mora, ela começa a acreditar que isso é mesmo verdade. São sempre as mesmas pessoas, as mesmas fofocas, a mesma visão de mundo limitada, como se estivessem todos presos em uma caverna, nunca enxergando nada além.

Nesse ambiente, ela não tem com quem desabafar suas angústias, e por isso deita-se em seu jardim, olha os aviões no céu, e expõe suas dúvidas mais secretas aos passageiros, já que eles nunca irão julgá-la. Em seu conflito solitário, ela se vê dividida entre dois mundos: um em que é livre para ser quem é de verdade e dar vazão ao que vai em seu íntimo, e outro em que precisa se enquadrar desconfortavelmente em convenções sociais.

Em um retrato original de uma garota que luta para se libertar de definições ultrapassadas, este livro leva os leitores a questionarem tudo e oferece esperança para aqueles que nunca deixarão de buscar o significado do amor verdadeiro.
 


 

Título Original: Ask the Passengers
Autor:
A.S. King
Editora: Gutenberg
Páginas: 287
Adicione: Skoob | Goodreads

Modelo2-4

Astrid Jones tem 17 anos e mora numa cidadezinha do interior dos EUA com uma mãe que aparentemente não dá a mínima para ela, um pai que recorre a um baseado para se esconder de seus fracassos e uma irmã que há muito se afastou dela. astrid03

Por tudo isso, um de seus passatempos preferidos é deitar sobre uma mesa de piquenique no quintal de sua casa e ficar observando os aviões que cortam o céu, mandando o seu amor para os passageiros. Durante o livro, várias histórias desses passageiros nos são apresentadas, cada um trazendo suas angústias e seus problemas, e Astrid lhes envia seu amor, um a um. É uma forma singular de se complementar e enriquecer a história contada. astrid02

Ela porém está escondendo de todos uma importante parte de si mesma, o que faz porque sabe como as pessoas que vivem em sua cidade gostam de falar dos outros pelas costas, cheios de julgamentos e opiniões não solicitadas. Por isso, ela mantém para si mesma as suas questões sobre sua sexualidade.

Sim, porque Astrid tem uma namorada, ainda que ninguém saiba. E ainda que nem ela mesma saiba dizer com certeza que Dee é sua namorada, afinal as duas só se encontram no seu trabalho de fim de semana. O maior problema é que a própria Astrid ainda tem dúvidas em relação à sua sexualidade e se recusa a simplesmente utilizar um rótulo imposto. Afinal, o que o resto das pessoas tem a ver com quem ela ama ou deixa de amar? astrid01

O livro vai sendo contado por Astrid e vamos acompanhando suas angústias e indecisões. Ser gay não é algo que a personagem tenha certeza que é desde o início da história, nem é algo que ela estava preparada para contar para os outros. Sua melhor amiga, Kristina, é gay, apesar de esconder de todos na cidade, e se sente traída quando Astrid revela ter uma namorada também. Quando Kristina acusa Astrid de ter mentido para ela, Astrid simplesmente esclarece que não se sentia preparada para contar, e que isso não quer dizer que ela havia mentido, apenas que ela ainda não estava pronta.astrid04

Também achei muito interessante que a autora foi explorando aos poucos a vida de Astrid e mostrando como nada é tão simples como simplesmente sair de um armário. Há complicações, como a família de Astrid, como os amigos da escola e como a sociedade em geral passa a querer entender os motivos que a fizeram ser gay. Ou ainda, como Astrid coloca, por que a sociedade acha que ser gay tem a ver apenas com o sexo e nada mais? São reflexões interessantes feitas ao longo da leitura.

Outro ponto interessante é que quando é organizado um Dia da Tolerância em sua escola, Astrid se pergunta porque é necessário que seja criado um evento, chamado alguém de forma para dar uma palestra e basicamente dizer que não devemos nos odiar uns aos outros. Como ela mesmo define, isso não é elementar? Não deveria ser automático? astrid05

Uma reclamação, porém, é que a questão no livro se concentra no embate hétero x homo, como se essas fossem as duas únicas sexualidades existentes. Por que não, já que estamos discutindo a problemática, citar abertamente outros tipos, como a bissexualidade, por exemplo?

Gostei bastante da leitura e de toda a discussão ao redor da Astrid Jones e de como ela se relaciona com a família, os amigos e as pessoas da sociedade em geral. A história do passageiro final me fez ficar com lágrimas nos olhos e acho que foi perfeita para encerrar a história. Foi uma leitura leve, porém que nos leva a refletir muito. Recomendo bastante.

avatar
8 Comment threads
7 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
A História do Futuro de Glory O'Brien - A S King - Pequenos RetalhosCecília MariaMariAneJéssica Recent comment authors
  Subscribe  
Notificar-me quando houver
Ana Claudia

Nunca tinha sentido interesse em ler esse livro, mas agora fiquei com uma pulga atrás da orelha (olha os ditados da vovó ai!). Achei bem legal a temática do livro, até porque existem poucos livros YA assim. E os questionamentos da Astrid (os que você apontou pelo menos) são ótimos!
Com certeza vai entrar na minha lista de quero ler!

Michele Lima

Oi mari!

Não tinha lido nada sobre esse livro ainda, mas achei interessante a discussão que o livro levanta! parabéns pelas fotos, adorei todas!

Bjs, Michele

http://oquetemnanossaestante.com.br

Mari

Dica de próxima leitura anotadíssima, Mari! <3

Mariana FS

Oi Mari!
Fazia bastante tempo que eu não via esse livro pela blogosfera. Algo que me chama muito a atenção nele é o comentário do John Green porque não se vê esses elogios dele com muita frequência, então para quem é fã do autor (como eu) é um aval que vale muito 😉
Beijos
alemdacontracapa.blogspot.com

Jéssica

Ótima resenha. Já havia visto esse livro em algum site, marquei até na lista mas não havia visto nenhuma resenha dele. Pelo visto é um livro bem forte mesmo e fiquei curiosa para saber um pouco sobre a personagem e seus ‘passageiros’ 😉

Ane

Já tinha visto o livro, mas nunca parei para ver sobre o que ele falava. Sua resenha mostrou que ele traz um assunto bem atual de uma maneira leve e que conquista o leitor. Não é o tipo de leitura que costuma entrar na minha lista de desejados, mas ainda assim fiquei curiosa pelo desenrolar da história.

Cecília Maria

Cada vez que você mostra esse livro aqui eu fico mais interessada em lê-lo. Acho que deve ser uma leitura que te acrescenta muita coisa, com uma temática super atual e interessante e que a psicóloga dentro de mim não pode deixar passar hahaha. No momento não estou lendo nada, porque a faculdade mal começou e já está uma loucura, mas com certeza vou acrescentar esse livro à minha lista.

trackback

[…] não é o primeiro livro da A.S. King que eu leio. Os Dois Mundos de Astrid Jones também já apareceu aqui no blog. Eu tive uma boa experiência com a leitura, o que me levou a […]