20
08
2019

Um Perfeito Cavalheiro – Julia Quinn

Continuando a saga dos Bridgertons, chegamos ao terceiro livro da série, Um Perfeito Cavalheiro. Nesse livro iremos conhecer a história de Benedict, o segundo filho da família. Ele está vivendo sua vida, tentando escapar das maquinações de sua mãe para que se case, quando o destino lhe prega uma peça. Num baile de máscaras, ele conhece aquela que tem certeza é o amor da sua vida. Porém, a dama some e ele parece nunca mais conseguir encontrá-la. Parece familiar? Sim, porque Um Perfeito Cavalheiro lembra e muito a história da Cinderela. E isso a gente entende quando conhece a dama em questão, Sophie.

Título OriginalAn Offer From A Gentleman
AutorJulia Quinn
Série: Os Bridgertons #2
Editora: Arqueiro
Páginas: 304
AdicioneSkoob | Goodreads

Um Perfeito Cavalheiro

O livro começa na verdade apresentando a pequena Sophie. Ela foi criada como a protegida do Conde de Penwood. Ele dizia a todos que a menina era filha órfã de um velho amigo. Porém, qualquer um que olhasse para Sophie saberia da verdade: que ela era uma filha bastarda do Conde. Mas os criados de Penwood Park não comentavam nada, pois amavam a menina. E Sophie tinha toda a educação que poderia desejar, ainda que o Conde não assumisse seu papel de pai. Muito pelo contrário, ele mal dava atenção para ela.

Porém, quando Sophie tinha dez anos, o Conde decidiu se casar. Casou-se com Araminta, uma mulher que já tinha duas filhas, Rosamund e Posy. Sophie logo ficou muito alegre, afinal teria irmãs e quem sabe, até mesmo, uma madrasta. Tudo or que a menina desejava era uma família, era pertencer a algum lugar.

Mas o sonho iria virar um pesadelo. Araminta logo entendeu que Sophie não era uma simples protegida do seu marido e rejeitou a criança. Exigia que suas filhas fossem melhor tratadas pelos criados da casa do que Sophie. Sophie só continuou a receber a educação com a tutora porque o Conde foi irredutível quanto a isso. Não que Araminta não tivesse tentado fazer com que ele mudasse de ideia.

Rosamund era tão cruel com Sophie quanto sua mãe. Vivia a beliscando e a maltratando e não havia nada que ela pudesse fazer. Posy não era cruel, mas também não ia contra nada do que sua mãe e irmã mais velha decidissem.

Tudo Pode Piorar

Então, o Conde morreu. E tudo se tornou ainda pior para Sophie. Araminta só não a jogou na rua porque o testamento do Conde determinava que ela ganharia uma quantia maior se ela cuidasse de Sophie. Mas Araminta viu nisso uma oportunidade de transformar Sophie em sua criada pessoal.

Num dia em que as filhas estavam se aprontando para o Baile de Máscaras de Violet Bridgerton, Sophie comentou que gostaria de ir. A governanta da casa então deu uma de fada madrinha e a ajudou a se arrumar para o Baile. Ao menos uma noite ela veria como aquele mundo maravilhoso funcionava.

É nesse baile, protegida pela sua máscara, que Benedict a vê. E logo fica encantado por ela. Os dois conversam a maior parte do baile, porém, quando o relógio bate as doze badaladas, Sophie deve correr. Ela tem que voltar antes de Araminta e suas filhas. Deixa para trás um Benedict desesperado por descobrir quem era a mulher misteriosa que lhe roubou o coração.

Um Pouco Sobre A Leitura

Como dá para ver, a história é uma adaptação de Cinderela. Ao invés de um sapatinho de cristal, Sophie deixa para trás uma das luvas de sua finada avó. Graças a um monograma costurado na luva, Benedict chega até a casa Penwood, mas por não imaginar que Sophie pudesse ser uma criada, ele vai embora desolado.

Muito de Um Perfeito Cavalheiro foca na vida de Sophie após o baile. A “madrasta” desconfia e acaba finalmente a colocando para fora de casa. Sophie passa então a procurar emprego como arrumadeira. Na verdade, ela só volta a ver Benedict dois anos depois, quando ele a salva do filho de seu patrão. Porém, a decepção: ele não a reconhece. Não que a tenha esquecido, pelo contrário, sonha com a dama misteriosa todas as noites. Porém, ao se deparar com a criada Sophie, apesar de atraído por ela, não percebe quem é.

Meu Instinto Protetor e Sophie

De todas as protagonistas de Julia Quinn, Sophie é a que mais eu quero proteger. O tanto que ela sofre quando criança é horrível. E o Conde, ao não reconhecê-la e basicamente obrigá-la a morar com sua maldosa esposa, só piora a sua situação. Araminta é simplesmente cruel e ambiciosa. Ela trata bem Rosamund, pois acredita ser a filha que lhe trará um genro rico. Mas não dá muita atenção para Posy. E quando Sophie vai embora, acaba maltratando Posy também.

Benedict pode ser um tolo apaixonado, mas não reconhece o amor de sua vida quando ele está bem a sua frente. Sim, ela mudou com os anos e os dois se viram por apenas algumas horas, mas… ele deveria tê-la reconhecido. E depois ele não trata muito bem Sophie, a criada. Porque acaba oferecendo-lhe o posto de amante e mesmo quando ela diz não, ainda assim insiste.

Ah, e existe o problema de ela ser uma arrumadeira. Para um homem na posição social de Benedict, casar com alguém da classe de Sophie poderia trazer muitos problemas… Para ela. Sophie e seus filhos, nesse caso, seriam excluídos da sociedade. Mas não se preocupem, Lady Violet Bridgerton vai arranjar uma solução. Como? Vocês vão ter que ler para descobrir.

Eu gosto do livro, mas não é meu preferido da série. Mas o próximo é o livro que me deixa mais ansiosa… Porém, vamos ter que esperar o próximo post da série para descobrir porque.

Siga-me por aí:

Twitter | Facebook | Instagram

Skoob | Goodreads

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Mara Cerqueira SantosKênia cândidoMichelle Recent comment authors

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  Subscribe  
Notificar-me quando houver
Michelle

Olá, já uma obra da autora e apesar de detectar algumas falhas em sua obra gostei de forma geral da escrita dela, já algumas resenhas sobre este livro ele já esta na minha lista de leituras, só não sei quando irei conseguir ler, enfim ótima resenha até breve!

Kênia cândido

Oi Mari.

Ainda não tive a chance de ler os livros dessa série e também não conheço a escrita da Julia Quinn. Mas adorei saber que este livro é uma adaptação de Cinderela. Confesso que fiquei bem curiosa. Vou adicionar na minha lista de desejados. Parabéns pela resenha.

Bjos
https://historiasexistemparaseremcontadas.blogspot.com/

Mara Cerqueira Santos

Oi, Mari! Eu sigo nessa vida de leitora sem ter lido nada da Julia Quinn, mas confesso que essa é uma das histórias que mais me chama a atenção!!! Amei ler a sua resenha, espero em algum momento poder ler e conhecer essa família!!!